Os tablets e smartphones mudaram a maneira como as organizações encaram as suas atividades, não é mesmo? Porém, à medida que aumenta o compartilhamento de dados nos aparelhos e nos seus diferentes sistemas operacionais, a tarefa de proteger as informações do negócio ganha novos desafios. E é justamente aqui que o gerenciamento de dispositivos móveis (MDM) se faz necessário. 

Em última análise, o MDM (Mobile Device Management) é o que permite que as empresas não “corram contra o tempo” em relação à segurança dos dispositivos móveis — sejam pessoais, sejam corporativos — conectados em suas redes, possibilitando, assim, ações preditivas e proativas.   

Seu objetivo principal é simples: otimizar a funcionalidade dos móbiles e garantir a proteção das informações organizacionais. Diante de tamanha importância, preparamos este artigo para mostrar como realizar o gerenciamento de dispositivos móveis de forma eficaz. Aproveite! 

O que é o gerenciamento de dispositivos móveis? 

Uma “mistura” de políticas e aplicações de software que proporciona a gestão, o monitoramento e a configuração dos aparelhos portáteis utilizados na rede interna de uma empresa. Basicamente, é disso que se trata o gerenciamento de dispositivos móveis (MDM). 

As melhores soluções de MDM abrangem a utilização de praticamente todos os tipos de mobiles capazes de operar na internet. Mais do que apenas os notebooks, tablets e smartphones, também é possível administrar permissões nos smartwatches, a exemplo do Apple Watch. 

Em termos práticos, um sistema de MDM oportuniza a administração de diversos dispositivos de maneiras variadas. Isso pode ocorrer por meio da instalação de aplicativos ou também mediante o rastreamento dos equipamentos e a sincronização dos seus dados. 

Uma observação pertinente é que além do aspecto segurança, o gerenciamento de dispositivos móveis contribui para a produtividade dos colaboradores

O que o MDM pode oferecer?

Para dar sequência, é interessante salientarmos os recursos que o MDM pode oferecer à companhia. Os principais são:

  • configuração dos seus dispositivos: de modo centralizado, isso ocorre independentemente das diferenças entre os seus sistemas operacionais (iOS, Android, Windows, macOS, entre outros);
  • proteção dos seus aparelhos: contra as ameaças de segurança, como malwares, ransonwares e aplicativos mal-intencionados; 
  • criptografia: dos dados;
  • bloqueio e limpeza dos dispositivos: podem ser feitos de forma remota, essencial para os casos de perda ou roubo;
  • gerenciamento: dos acessos Wi-Fi e de rede, bem como da sua VPN;
  • implementação: de políticas de uso e senhas.

É importante ressaltar que, apesar dos notebooks já estarem “inseridos” nas empresas há muito tempo, foi a inserção dos tablets e smartphones que fez do MDM uma aplicação indispensável em boa parte dos negócios. 

Nesse sentido, o BYOD (Bring Your Own Device) deu ao MDM uma importância ainda maior. Para esclarecer, estamos nos referindo a uma metodologia que incentiva os funcionários a trazerem os seus próprios dispositivos — mais especificamente os notebooks — para o ambiente profissional, não utilizando, portanto, os computadores da empresa. 

Embora em crescimento, é preciso deixar claro que essa abordagem pode não ser a melhor opção para a sua realidade. Mesmo assim, o fato de ela existir e ser cada vez mais aplicada está entre as razões pelas quais o MDM ganhou tamanha notoriedade entre os gestores de TI.  

Como realizá-lo de maneira eficiente? 

Para ser possível controlar os riscos associados e garantir uma maior produtividade do negócio, o gerenciamento de dispositivos móveis exige atenção e cuidado. Do contrário, sua realização dificilmente será eficaz a ponto de realmente proporcionar a segurança dos dados corporativos. 

Nesse cenário, considere:

  1. uma política de MDM deve levar em conta todos os tipos de dispositivos móveis, não se esquecendo de que os notebooks também se enquadram nesse contexto;
  2. a mitigação dos riscos de vazamento ou roubo de dados por meio da criptografia não pode deixar de ser aplicada em hipótese alguma;
  3. as políticas devem ser centradas ou nos dados, ou nos usuários, pois essa é a única forma de garantir que as suas aplicações não dependam dos dispositivos e/ou métodos de acesso utilizados, reforçando e dando consistência à segurança das informações;
  4. aumentar a proteção em casos em que uma WLAN corporativa está aberta para todos os usuários (colaboradores);
  5. investir em boas e confiáveis soluções de defesa contra vírus e malwares. Isso é necessário para evitar que os dispositivos fiquem muito vulneráveis quando utilizados sem respeitar as normas MDM implantadas;
  6. revisar as políticas aplicadas constantemente. Quando observadas exceções, elas precisam ser rastreadas de modo a evitar que as falhas — ou práticas mal-intencionadas por parte de um colaborador interno — se tornem um problema para a empresa.

Um dos pontos mais desafiadores do MDM diz respeito à pratica de controlar o conteúdo dos dispositivos móveis. Após serem configurados e receberem o acesso à rede interna da organização, é natural que os funcionários também os utilizem para verificar alguns assuntos de cunho pessoal. 

Nesse caso, para solidificar ainda mais a sua estratégia de MDM, os gestores de TI devem tratar a transmissão de mensagens de e-mail e anexos como um componente-chave para a segurança das informações. Isso porque são os e-mails pessoais uma das principais portas de entrada para as ameaças.

Em outras palavras: é preciso limitar as possibilidades e a liberdade de uso dos mobiles da empresa, bloqueando o preenchimento de formulários, o download de arquivos e o acesso a determinados tipos de sites: entenda que um hacker ganhando o controle dos seus dispositivos móveis é algo muito sério.

Por fim, não poderíamos deixar de citar o controle de inventário. Fique sabendo que as soluções de MDM permitem fazer o seguimento de todas as mudanças na adjacência dos aparelhos da sua empresa, uma funcionalidade importantíssima para a sua gestão. 

É por meio dela que será possível manter atualizados os dados sobre o inventário atual e passado dos seus noteboooks, tablets e smartphones, por exemplo. Esse controle também permite associar empregados, ativar novas linhas, desativar linhas sem uso e muito mais. 

Esperamos que você tenha gostado deste artigo sobre o gerenciamento de dispositivos móveis (MDM). Se quiser saber ainda mais, entre em contato conosco agora mesmo. Estamos prontos para atendê-lo e tirar todas as suas dúvidas!