Outsourcing de TI é o ”uso de provedores de serviços externos para fornecer processos de negócios, aplicativos e soluções. Ele também inclui softwares, ajudando empresas a desenvolver estratégias e visões corretas para negócios sustentáveis”. Assim define a Gartner, marca líder em pesquisas de tecnologia no mundo.

Em outras palavras, podemos dizer que o outsourcing de TI consiste na contratação de uma corporação ou um indivíduo especializado em executar tarefas, lidar com operações ou fornecer serviços e/ou equipamentos de tecnologia.

O grande trunfo do outsourcing de TI é a captação de capacidades que normalmente demandam muito dinheiro e tempo para serem elaboradas com equipe própria. Há outros benefícios, como você verá ao longo deste artigo. Vale lembrar que não existe um só tipo de outsourcing de TI, e é justamente sobre isso que falamos. Boa leitura!

Que vantagens o outsourcing de TI oferece às empresas?

Em linhas gerais, há diversos benefícios que a prática do outsourcing de TI pode trazer às organizações. Os mais destacados são:

  • redução de custos e realocação de recursos: contratar mão de obra mais barata e liberar fundos para funções e serviços de maior urgência;

  • diminuição do time-to-market: ciclo de produção e entrega de serviços com mais rapidez e eficiência;

  • foco no core business: concentração de esforços em coisas que têm maior importância para o negócio, uma vez que os serviços de TI são cuidados por um parceiro especializado;

  • acesso a recursos: possibilidade de conseguir um pool de capacidades e recursos que o time interno não possui e demoraria muito tempo para obter (equipamentos de última geração, experiência, certificações, qualificações etc.);

  • ganho de produtividade: o acordo entre a empresa contratante o fornecedor determina o quê, quando e quanto deve ser entregue; se o acordo não for cumprido, pode haver (conforme contrato) ressarcimento financeiro;

  • aumento da capacidade de inovação: tudo o que dissemos até aqui facilita para que a empresa seja mais inovadora, pois está aberta a visões e ações externas — tudo sob controle, seguindo o acordo firmado previamente.

Quais são os principais tipos de outsourcing de TI?

Confira a seguir as três modalidades de outsourcing de TI mais comuns, englobando as vantagens fornecidas por elas às empresas que fazem esse investimento.

Offshore Outsourcing

O outsourcing do tipo offshore envolve o envio de trabalho relacionado à TI para uma empresa em um país estrangeiro. Os destinos mais emblemáticos atualmente são China, Índia e Filipinas.

Isso normalmente acontece porque essas nações oferecem estabilidade política, redução de custos e incentivos fiscais para atrair organizações que necessitam de serviços específicos de TI.

Na prática, as companhias terceirizam determinadas operações tecnológicas. Elas fecham negócio com empresas especializadas, que lhes fornecem pessoal capacitado e garantem um nível de serviço ou produto determinado em contrato.  

As principais vantagens da prática do outsourcing offshore são:

  • acesso a recursos e ferramentas não existentes no país;

  • redução de custos;

  • aproveitamento da cultura local — para a criação de produtos tecnológicos que atendam outras culturas parecidas, por exemplo;

  • aproveitamento das facilidades regulatórias do país em questão.

Nearshore Outsourcing

A modalidade de outsourcing nearshore é bem parecida com a offshore. O que as diferencia é que no modelo nearshore são contratados serviços em países que fazem fronteira com a pátria-sede da empresa.

Uma grande vantagem de terceirizar as operações de TI em nações limítrofes é a facilidade de viajar e se comunicar. Entretanto, também são considerados fatores como regulamentação, custos e incentivos fiscais.

Aqui está um detalhamento dos benefícios mais significativos do nearshore outsourcing:

  • custos menores;

  • cultura semelhante, facilitando o entendimento no decorrer dos projetos;

  • rapidez na hora de modificar ou incrementar a estratégia;

  • possibilidade quase nula de mudanças bruscas no relacionamento dos dois países, algo capaz de provocar modificações na regulação governamental vigente em uma ou ambas as partes.

Onshore Outsourcing

Já o outsourcing onshore refere-se à parceria com um provedor externo de serviços e/ou soluções estabelecido no próprio país em que a empresa contratante está sediada.

Um exemplo bem prático é o aluguel de equipamentos (tablets, smartphones, notebooks etc.), que libera a empresa contratante da necessidade de realizar aquisições — também reduz custos com manutenção e depreciação, entre outros.

Nesta modalidade, os serviços externos podem ser realizados tanto no local quanto remotamente, devido à facilidade de locomoção e à inexistência de barreiras linguísticas.

Além dos benefícios já mencionados, nesse tipo de outsourcing também podemos acrescentar:

  • facilidade de acesso às equipes locais;

  • convivência no mesmo fuso horário;

  • mentalidade dos profissionais bastante parecidas, uma vez que a cultura tem traços de alta semelhança no território nacional;

  • maior controle de processos e atividades — facilidade para realizar auditorias e verificar se os direitos trabalhistas dos profissionais estão sendo cumpridos, por exemplo.

O que avaliar antes de contratar um fornecedor de outsourcing de TI?

Seja qual for a modalidade escolhida, será necessário firmar parceria com um fornecedor especializado em outsourcing. Sendo assim, é bom se atentar a alguns detalhes.

Tenha objetivos claros

O outsourcing figura como uma prática que busca beneficiar a empresa contratante. Logo, é preciso saber exatamente o que se quer obter com ela.

Desta forma, antes de firmar acordo com um provedor de outsourcing, trace uma estratégia clara. Só assim é possível mensurar se está valendo a pena seguir com a terceirização.

Avalie fornecedores estabelecidos no mercado

Também é vital verificar a experiência e a reputação da corporação prestadora de serviços ou fornecedora de locação de equipamentos.

Hoje em dia é bem fácil fazer isso, considerando o material disponível na internet. Conversar com empresas que já utilizam o outsourcing com os fornecedores que você está avaliando também ajuda, uma vez que elas podem contar como é ou foi a experiência na parceria em questão.

Firme um bom acordo de nível de serviço

O acordo de nível de serviço (muitas vezes expresso em inglês: Service Level Agreement) é um documento geralmente anexo ao contrato em que estão descritos todos os detalhes da parceria.

É primordial que o SLA descreva detalhadamente quais serviços são contratados, prazos de entrega, níveis de qualidade etc. Além disso, também é interessante acrescentar as obrigações de ambas as partes com relação ao serviço.

Assine um bom contrato

Da mesma maneira que o SLA, o contrato também precisa estar muito bem detalhado. Ele exige formatação de acordo com a legislação e as regulamentações vigentes.

No contrato ainda devem estar detalhadas multas e sanções pelo não cumprimento dos termos da parceria. É fundamental que, antes de assiná-lo, você o submeta ao olhar de um jurista. Seja o advogado da sua empresa ou um consultor jurídico especializado em acordos de outsourcing, não deixe de dar a relevância necessária a isso.

Conforme observamos, há diversas modalidades de outsourcing de TI. Elas têm algumas diferenças entre si e servem a diferentes propósitos, cada qual com suas vantagens. Lembre-se de considerar a situação e as peculiaridades da sua empresa antes de colocar as informações trazidas em prática!

Gostou da reflexão que trouxemos? Então leia agora nosso post sobre planejamento estratégico em tecnologia — tudo que você precisa saber!